Concerto: Nerve & Blasph @ Musicbox Lisboa

Dia 8 de Junho em Lisboa, no Musicbox. Mais uma noite da agência Gin & Juice que juntou, no mesmo cartaz, Nerve e Blasph.

Aproximavam-se as 24h quando as luzes do Musicbox se acenderam para apresentar Blasph. Recebido com entusiasmo por parte do público, o rapper da Margem Sul do Tejo cantou desde temas do seu antecipado EP a sair em breve - Stracciatella & Bragadocio – a temas já conhecidos do seu vasto e notável repertório - como “Digam Lá” ou “Nuvens Cinzentas”.

Houve ainda espaço para "OPROCESSO". Blasph chama a palco Beware Jack, para juntos interpretarem os temas do seu álbum editado em Março do passado ano, pela Mano a Mano.

Depois de cerca de 30 minutos do rap cru e duro a que Blasph já nos habituou desde há muito - e que tanto o caracterizam - as luzes baixam-se e despede-se do público, que o aplaude.

Mudança de cenário em cima do palco e Mike el Nite faz as apresentações. Nerve, como é hábito, sobe sozinho a palco. Banhado por uma luz baixa, afirma: “Dá para ver que acabei de chegar…”, de “Deserto”, primeira canção que oferece ao público do Musicbox, que conhece e clama cada palavra. Juntos, público e Nerve, cantam não só as palavras de Trabalho & Conhaque ou A Vida Não Presta e Ninguém Merece a Tua Confiança, o seu último álbum, mas também as de "ENPTO" – Eu Não das Palavras Troco a Ordem – o seu álbum de estreia, que mereceu revisita - assim como o EP "Água do Bongo".

Entre as canções, tão conhecidas e bem decoradas pela plateia, Nerve declama dois acapellas, nos quais as palavras se erguem poderosas e monstruosas sobre o silêncio de um público que tão atento escuta. A palco, Nerve chama dois convidados: primeiro Blasph, que abriu a noite, e depois Mike El Nite, para a interpretação de Funeral, single em conjunto lançado no início do ano.

Por fim, é com “Subtítulo”, single do seu último álbum, que Nerve encerra a noite e mais uma notável prestação ao vivo.

Texto por João Tamura; Fotografia por João Tamura

Newsletter

Subscreve a nossa newsletter